Os prefeitos de toda a região de Jales estiveram reunidos com o secretário de Segurança Pública do Estado, Mágino Alves Barbosa Filho, para reivindicar a reposição do efetivo da Polícia Civil na região, acompanhado dos deputados estaduais Carlão Pignatari e Itamar Borges.

A articulação conta ainda com a presença de integrantes do Fórum da Cidadania de Jales, liderados pelo seu presidente, o advogado Carlos Alberto Britto Neto. A área da Seccional de Jales é composta por 22 municípios.

Eles reivindicam preenchimentos de cargos da Polícia Civil em praticamente todos os municípios. São cargos de Delegados de Polícia, Escrivães, Investigadores, Agentes Policiais, Agentes de Telecomunicações, Papiloscopista, Auxiliar de Papiloscopista e Carcereiros.

Estiveram presentes o deputado Itamar Borges; os prefeitos de Jales – Flávio Prandi; Vitoria Brasil – Ana Lúcia Modulo; Dolcinópolis – Américo Ribeiro do Nascimento; Pontalinda – Elvis Carlos de Sousa; Aspasia – Josué Eduardo de Assunção (Calango); Santa Fé do Sul – Ademir Máschio; Mesópolis – Leandro Polarini; Paranapuã – Sérgio Polarini; Santa Salete – Jeder Fabiano Santiago Souza (Tuim); Dirce Reis – Euclides Scriboni Benini (Cridão); Santa Clara d’Oeste – Wair; Urânia – Márcio Arjol; Três Fronteiras – Bim Belão; Santa Rita d’Oeste – Alaor Panzian; Rubineia – Aparecido Goulart (Cidão); e vice-prefeitos: Jales – José Devanir Rodrigues (Garça) e de Paranapuã – Elcio Ribeiro Guimarães (Rolemã).

De acordo com documento elaborado pelo Fórum da Cidadania, a falta de pessoal para esses cargos, “tem provocado sobrecarga de trabalho em turnos variados e acúmulo de função em localidades diversas, o que, forçosamente, leva à perda da eficiência e qualidade dos serviços, na sujeição a um regime escravocrata de trabalho e no acometimento de enfermidades”.

Acrescenta que “o reflexo disso é desestímulo, baixa motivação, ainda que a condição pessoal, responsável e comprometida desses profissionais da segurança pública impulsiona a dedicação do grupo e colha frequentes resultados meritórios e reconhecidos pela população de maneira geral”.

O deputado Carlão Pignatari argumentou ao secretário Mágino Alves a necessidade de se recompor esses quadros da Polícia Civil, pois a segurança pública é de extrema prioridade para a população, que vive momentos de grande intranquilidade, devido às condições socioeconômicas e políticas por que passa o País. “Temos pressa e precisamos preencher esses cargos”, cobrou Carlão.

Em resposta, o secretário se comprometeu a concentrar esforços para suprir a necessidade de escrivães e investigadores.